Adotados usam teste de DNA para descobrir sobrenome

Os testes se baseiam na análise do cromossomo Y, um conjunto de material genético que é passado sem alterações (a não ser que haja mutações) de pai para filho.

Por causa desse padrão de herança, homens com o mesmo sobrenome podem também compartilhar marcas genéticas no cromossomo Y.

Segundo o presidente da empresa americana especializada em testes genéticos Family Tree DNA, Bennett Greenspan, pelo menos 30 homens já encontraram seus "sobrenomes biológicos" dessa maneira com a ajuda da companhia.

Banco de dados

A Family Tree DNA, com sede em Houston tem um banco de dados online chamado Ysearch contendo informações genéticas de 125 mil homens, juntamente com sobrenomes e dados genealógicos.

"Há várias pessoas que são filhos adotivos, realizaram testes conosco, encontraram semelhanças genéticas com vários indivíduos do mesmo sobrenome e, provavelmente, não conseguiram encontrar semelhanças com nenhuma outra pessoa com um sobrenome diferente", explicou Greenspan.

"A partir daí, eles sabem que pelo menos encontraram o sobrenome (da família de origem) e podem começar a procurar (pelo pai) na cidade em que nasceram", afirma.

Na opinião de Greenspan, para algumas pessoas seria praticamente impossível descobrir o sobrenome de seu pai biológico de qualquer outra maneira.

"Prova concreta"

Chandler Barber, um americano de 37 anos de Dallas, que foi adotado ao nascer, disse que ficou sabendo sobre essa possibilidade de descobrir o seu sobrenome verdadeiro por meio de uma reportagem em uma revista.

Das seis pessoas encontradas em Ysearch que tinham marcas genéticas semelhantes à do cromossomo Y dele, todas tinham variantes do sobrenome Ritchie.

"Era uma prova bem concreta", disse Barber à BBC.

"É uma maneira rápida e pouco trabalhosa de descobrir pelo menos alguma coisa sobre sua história. Eu tenho certeza que há pessoas que têm procurado por seus pais a pé e com lápis e papel na mão por anos e não encontraram nada.”

Nomes comuns

A ligação entre o sobrenome e a semelhança das características genéticas do cromossomo Y fica mais forte à medida que o sobrenome é mais raro.

"Se você tem um sobrenome que é relativamente raro, mas não tão raro que as chances de outra pessoa ter o mesmo sobrenome sejam muitos pequenas, então você pode ter sorte", disse Mark Jobling, professor de genética da Universidade de Leicester, na Inglaterra, que não tem ligação com a Family Tree DNA.

Mas Jobling diz que, mesmo com sobrenomes relativamente comuns, é possível encontrar pistas genéticas associando a pessoa à “dinastias”.

"Em um sobrenome como Jefferson, por exemplo, que é bastante comum, você encontra vários desses pequenos grupos de dinastias. Há identidade entre esses grupos, mas há muitos deles", explica.

Ele afirma que esses padrões gerais podem variar de um país para o outro e que algumas "marcas genéticas" podem estar presentes em dois ou mais sobrenomes, o que pode levar a conclusões erradas.

Segundo o geneticista Sérgio Danilo Pena, professor titular de bioquímica da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e diretor do Laboratório Gene, é possível fazer no Brasil o teste do DNA do cromossomo Y, mas não há bancos de dados genéticos com sobrenomes que permitam fazer o teste oferecido pela Family Tree DNA.

Benefícios em penca

A banana é utilizada in natura, cozida, assada, em doces, compotas ou bolos. De fácil consumo, basta descascá-la para ter acesso a seus benefícios. É como fala a conhecida marchinha carnavalesca de Braguinha e Alberto Ribeiro: “banana, menina, tem vitamina, banana engorda e faz crescer”.
Trata-se de um alimento rico em carboidratos, que fornece energia de forma rápida ao organismo; em potássio, mineral importante para o bom funcionamento dos músculos, inclusive o cardíaco; e em vitamina B6, essencial para a formação de células do sangue e de substâncias para o cérebro. A fruta ainda é indicada para portadores de pressão alta que usam medicamentos diuréticos. A esses pacientes recomenda-se o consumo de duas bananas por dia, para ajudar na reposição do potássio eliminado na urina.
Versátil como ela só, imagine que a fruta pode ainda se tornar uma 'vacina comestível'. É o que busca o cientista norte-americano Charles Arntzen. Ele trabalha no desenvolvimento de uma variedade de banana geneticamente modificada, que servirá de imunização contra a hepatite B. No futuro, a técnica levará a uma grande redução de riscos e custos em comparação com a vacinação tradicional. Além disso, é bem melhor saborear o alimento do que levar uma picadinha, não?

Não é para todos
Apesar das vantagens da fruta, alguns grupos devem ingerí-la com muita moderação. Entre eles estão os obesos e os diabéticos. A banana possui elevado índice glicêmico (IG), ou seja, faz o corpo produzir grande quantidade de insulina. Isso deve ser levado em conta porque a insulina é um hormônio que tem o poder de carregar o açúcar para dentro dos músculos na forma de glicogênio. Só que esses depósitos possuem capacidade limitada, o que faz com que todo o excesso de glicose no sangue seja convertido em ácidos graxos e triglicérides, que serão armazenados na forma de gordura. Quem sofre de insuficiência renal também precisa evitar o alimento, devido à grande quantidade de potássio existente nele e que, em excesso, é muito perigoso a esses pacientes.

Sem exagero
São vários os tipos de bananas. Entre os mais populares estão a maçã, a ouro e a prata. A mais magrinha é a prata: uma unidade média desta categoria possui 89 calorias, contra 114 da banana maçã e 158 da ouro. Mas não vá exagerar. Caso contrário poderá ver os ponteiros da balança subir. O ideal é consumi-la após o exercício.

Benefícios
Contendo três açúcares naturais: sacarose, frutose e glicose, combinados com fibras, a banana dá uma reserva instantânea de energia. Pesquisas provam que somente o consumo de duas bananas dão energia para 90 minutos de trabalho pesado.
Não admira que a banana seja o fruto mais consumido entre os atletas.
Mas esse não é seu único beneficio, elas nos ajudam a prevenir algumas doenças:

Depressão: De acordo com recentes estudos, a maioria das pessoas que habitualmente sofrem com depressões sentiram-se substancialmente melhor depois de comerem uma banana. Isto acontece porque a banana contém um tipo de proteína que o corpo converte em serotonina, substância que se sabe ajuda a relaxar e faz sentir melhor.         
Pressão Arterial: Este fruto tropical é muito rico em potássio e pobre em sal sendo perfeito para descer a pressão arterial.     
Cérebro: Em uma pesquisa realizada, foi comprovado que o potássio presente no fruto ajuda a melhorar a concentração.         
Dor de cabeça: Uma das maneiras mais rápidas de curar uma dor de cabeça é fazer uma batida de banana com mel. A banana acalma o estômago e com a ajuda do mel aumenta os níveis de açúcar no sangue enquanto o leite acalma e hidrata todo o teu sistema.
Cansaço matinal: Comer uma banana entre as refeições ajuda a manter os níveis de açúcar no sangue elevados, combatendo o cansaço.
Úlceras: A banana é usada nas dietas contra as desordens intestinais pela sua textura suave e por causa de ser um fruto muito macio. É o único fruto que pode ser comido sem causar distúrbios mesmo nos casos mais graves. Ela também neutraliza a acidez excessiva e reduz a irritabilidade criando uma camada nas paredes do estômago. Controle de temperatura: Muitas culturas vêem à banana como um fruto 'calmante' porque consegue baixar a temperatura, quer física quer emocional. Na Tailândia, por exemplo, é hábito as mulheres grávidas comerem bananas para se assegurarem de que o seu filho nasça com a temperatura correta.  
Stress: O potássio é um mineral vital que ajuda a normalizar o batimento cardíaco, que auxilia a ida do oxigênio para o cérebro e que regula a repartição de água pelo corpo. Quando estamos estressados o nosso metabolismo altera-se reduzindo os níveis de potássio. Podemos ajustá-los com a ajuda deste fruto, rico em potássio.      
Cortes: De acordo com o 'New England Journal of Medicine', comer bananas regularmente pode reduzir o risco de morte por cortes até mais de 40%! Assim, a banana é um remédio natural para muitos males. Acrescentado só uma coisinha, a banana ajuda a ajustar o organismo no chamado 'jet leg'. Para quem viaja de um continente para outro com muitas horas de diferença do fuso horário, comendo bananas, devido às propriedades do potássio, o organismo consegue ajustar-se mais depressa ao novo horário.

Agora, se você não se enquadra nas categorias que têm restrições à deliciosa fruta, saboreie e desfrute de seus benefícios.

Redes Sociais

Contato

  • 11 5031-4807
  • contato@materlife.com.br
  • Central de Atendimento
  • Segunda à Sexta-feira das 9hs às 18hs