Muito do que vejo também está ligado aos mitos relacionados ao aleitamento materno, como por exemplo, de que constitui uma tarefa prazerosa para a mãe. Ora, isso nem sempre acontece, pois já vi muitas mães apresentando dores e se cobrando o sentimento de satisfação com o aleitamento e, nesse momento, acabam por se verem envolvidas pela culpa por não conseguirem amamentar ou por realizarem essa tarefa de maneira insatisfatória. Novamente percebo que as mães precisam ser minimamente orientadas antes de o bebê nascer, pois o que poderia ser um problema de simples solução acaba, em alguns casos, por se tornar um transtorno.
O que leva uma mãe a desejar amamentar é muito pessoal. Entretanto,em algumas mulheres, observamos o receio de não conseguirem fazê-lo, de não terem leite suficiente e também de algumas que chegam a ter medo de prejudicar a estética corporal durante esse processo.
O que deve ser feito é esclarecer ao máximo todas as dúvidas possíveis relacionadas à amamentação, confiar na capacidade feminina de realizar o aleitamento e, caso as mães apresentem algum problema, é importante, principalmente na fase inicial, recorrer à ajuda de profissionais, não só na esfera prática, com relação, por exemplo, às posições do bebê e técnicas de ordenha, mas também às formas de amenizar as angústias decorrentes dessa tarefa que deve ser tranquila e satisfatória para a mãe e a criança.
O aleitamento não deve ser uma obrigação, pois necessita ser natural e ter a entrega da mãe; caso contrário, deixará de ser algo bom para o bebê e isso poderá ser prejudicial para seu desenvolvimento psíquico.

Cynthia Boscovich
Psicóloga clínica, psicanalista. Membro regular da sociedade brasileira de psicanálise winnicottiana.
Atende adolescentes e adultos em seu consultório. Desenvolve também um trabalho específico com gestantes, mães e bebês, na área de prevenção e tratamento.
www.cuidadomaterno.com.br
email: cynthia@cuidadomaterno.com.br
Tel. (11)5549-1021

  • Print
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • Live
  • PDF
  • Twitter