O ambiente inclui uma gravidez tranquila, uma dieta balanceada, ausência de infecções graves, evitar cigarro, álcool, medicamentos sem orientação especializada, etc. Além de todos esses cuidados, é também recomendado um ambiente rico em vivências e estímulos por todas as vias sensitivas do cérebro do bebê (visão, audição, tato, olfato e o paladar).
O Neurologista explica que: “O cérebro humano é a estrutura mais complexa que se tem conhecimento. Sua estruturação anatômica e funcional se dá de forma progressiva por muitos anos, sendo os 3 primeiros anos de vida a fase mais crítica, dinâmica e intensa desse amadurecimento. O ideal é expor o pequenino a uma ampla gama de estímulos e vivências, de modo a propiciar um ambiente emocional e intelectual favorável ao melhor desenvolvimento cognitivo”.
Vamos passear um pouco pelos principais aquisições mentais nos primeiros 18 meses e dar algumas dicas de estimulação:
Dentro da barriga
O bebê dentro da barriga passa por profundas modificações nos 9 meses de gestação. Ele escuta os ruídos externos e internos da mãe, movimenta-se, engole líquido amniótico, dorme e acorda, boceja, urina e pode até chupar dedo.
Como estimular: Converse bastante com o seu bebê, fale devagar e com voz suave e acolhedora, coloque músicas instrumentais, acaricie a barriga, evite locais com ruído alto.
Primeiros 3 meses
É uma fase de adaptação. O bebê fora da barriga tem acesso a uma infinidade de estímulos táteis e visuais que eram impossíveis dentro da barriga. Procure manter o ambiente do bebê organizado e com decoração suave. Apresente objetos grandes, sem muitos detalhes e coloridos, faça massagens suaves nos membros e nas costas, olhe nos olhos durante as mamadas. Você verá que é uma fase de muita incoordenação motora, sustos e trancos quando surpreendido, muito sono e muita dependência em relação a mãe. Aos poucos ele passará a seguir objetos, dirigir o membro ao alvo e coordenar os olhos e os movimentos do tronco. Abuse de músicas suaves, deixe-o (de vez em quando) apoiado sobre sua barriga ou tórax e sentir a sua respiração, passe segurança e tenha paciência com as noites mal dormidas, a sincronização do sono com a luz solar é novidade para ele e pode demorar alguns meses. Aos poucos você vai perceber que ele vai ficando mais durinho e menos desajeitado.
Três a seis meses
O bebê passa a sustentar a cabeça, dirigir o pescoço e o olhar, dar risadas progressivamente mais seletivas. Nesse período ele aprenderá a sentar com e sem apoio, levará as coisas à boca e aprende a girar o corpo na cama (muito cuidado nessa fase pelo risco de queda, principalmente nas trocas). Nessa fase é fundamental os contatos sociais, com familiares e, se possível, com outras crianças. Brinquedos ainda médios a grandes, com sons e luzes, uma vez que o cérebro nessa fase já é capaz de integrar bem os estímulos. Apresente vídeos, músicas mais complexas, deixe-o perceber as texturas das coisas, tentar alcançar os objetos (evite dar tudo na mão).
Seis meses a 1 ano
O desenvolvimento cerebral está a todo vapor nessa fase. A cada dia uma nova conquista. Ele aprenderá a deslizar no chão para alcançar objetos, distingue cores primárias, sorri apenas quando está feliz e pode fechar o rosto para desconhecidos, aprenderá eventualmente a engatinhar, ficar de pé com apoio, trocar objetos de mão com desenvoltura e segurança, apontar objetos de interesse, etc. As pernas passam por um processo progressivo de ganho de força e coordenação que levará o bebê a andar em pouco tempo. Ele repete sons, brinca com os lábios, faz bolinhas de saliva, reponde a perguntas com sons ainda sem sentido e em breve falará as primeiras palavras definidas.
Nessa fase é fundamental ensiná-lo. Aplaudir quando fizer certo, deixar claro quando fizer algo indevido. Coloque opções de brinquedos, deixe-o escolher. Mostre-o sabores e texturas alimentares diversificadas. Deixe-o comer com as próprias mãos, de vez em quando. Quando apresentar um objeto dizer o nome do objeto em voz alta, clara e pausadamente. Essa fase o bebê faz muitas associações mentais passa progressivamente a desenvolver sua linguagem. Imponha desafios ao bebê no dia-a-dia, esconda um brinquedo com um pano, feche uma caixa, coloque outra coisa na frente, etc. com o tempo você verá que as estratégias mentais do pequeno para atingir seu objetivos vão ficando cada vez mais efetivas e complexas.
12 a 18 meses
Nessa fase o bebê geralmente já anda e domina um pequeno vocabulário de cerca de 5 a 10 palavras fáceis, como: papai, mamãe, acabou, cadê, oi, quero, me dá, etc. Aos poucos ele aprende a subir e descer escadas, andar para traz, girar em torno de seu eixo, etc. Nessa fase, começam a entender mais claramente o que os pais pedem. Se disser para a criança abrir a boca bem grande para escovar os dentes, ele abrirá. Se pedir um objeto ele vai buscar e trazer de volta. Ele pode ajudar a recolher brinquedos, aprende a auxiliar na hora de se vestir, convida pessoas para uma brincadeira, pode se jogar no chão quando contrariado, etc.
Para estimulá-los é fundamental dar independência, permitir o erro, sem perder a segurança. Brincadeiras coletivas, danças, jogos com cubos e bolas são boas pedidas. O vocabulário vai aumentando progressivamente, assim como a melodia da comunicação e o entendimento do que lhe é dito ou solicitado. Geralmente eles entendem mais do que são capazes de expressar nessa fase. Ele já apresentam uma personalidade própria (mesmo que ainda em formação) e aprendem com muito facilidade, principalmente atividades repetitivas.
Fonte- Neurologista Leandro Teles (CRM 124.984) www.leandroteles.com.br

  • Print
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • Live
  • PDF
  • Twitter