“Apesar de a hérnia de disco ser uma patologia própria do adulto, ela pode ocorrer em crianças. Isso acontece porque existe um mecanismo de redução do atrito entre os ossos, os chamados discos intervertebrais, formados por um tecido cartilaginoso. Esses discos sofrem desgaste e saem da posição normal se você levar uma vida sedentária, carregar muito peso e tiver uma má postura. Este deslocamento faz com que o disco comprima os nervos que passam pela coluna, causando dor na região lombar e também em outras partes do corpo”, explica.
Hoje, a reclamação de dor nas costas entre as crianças é mais comum devido a sua rotina de gente grande. Elas passam mais tempo sentadas jogando vídeo game ou no computador, são sedentárias e até obesas. Isso prejudica a musculatura abdominal e das costas. “Qualquer dor nas costas que a criança reclame deve ser considerada e investigada. Algumas doenças iniciam com pequenas queixas, são persistentes e aumento progressivo dos sintomas“, afirma o neurocirurgião.
Atenção ao diagnóstico
Se o seu filho não tem uma postura correta no dia-a-dia, as chances dele sofrer uma hérnia de disco só aumentam. Por isso, não hesite em procurar ajuda médica se você notar que seu pequeno está com dor na região lombar. Para confirmar o diagnóstico da doença podem ser feitos exames de raios-x, tomografia e ressonância magnética. “A escolha do tratamento leva em conta a gravidade do quadro, podendo ser feita à base de fisioterapia ou procedimentos cirúrgicos”, diz Mandel.
Além disso, o diagnóstico serve também para identificar outras possíveis doenças que podem ser confundidas com uma simples dor nas costas. “Várias doenças podem afetar a coluna na infância e apresentar-se como dor lombar, simulando assim uma hérnia de disco, discite, osteomielite vertebral, doença de Scheuermann, anomalias congênitas ou fraturas”, alerta Mandel.
Qual é o melhor tratamento?
Geralmente o tratamento inicial da hérnia de disco na infância é similar ao do adulto. A criança deve se manter em repouso por um período curto e tomar medicamentos analgésicos, seguido por fisioterapia. “Pilates, RPG ou técnica de reeducação postural também são boas alternativas para tratar a doença. Na maioria das vezes ocorre uma melhora dos sintomas e não há necessidade da criança se submeter a uma cirurgia”, ressalta o neurocirurgião.
Ensine seu filho a manter uma postura correta
Desde os primeiros anos de vida, os pais devem ensinar a criança a cuidar da postura. “Ao pegar algum brinquedo no chão, por exemplo, ensine a dobrar os joelhos e não as costas. Para sentar, seja no sofá, na cadeira ou na carteira da escola, a coluna tem que ficar sempre reta e as coxas, paralelas ao chão”, aconselha Mandel.
Além de manter a postura correta, o hábito de praticar esporte pode evitar que a criança sofra com problemas na região lombar futuramente.
Não hesite em procurar um médico se o seu pequeno apresentar os seguintes sintomas:
• Dor nas costas acompanhada de febre;
• Dor nas costas acompanhada de perda de peso;
• Dor nas costas em uma criança com menos de cinco anos de idade;
• Fraqueza nas pernas, andando mancando ou recusando-se a andar;
• Dor nas costas que se desenvolveu depois de uma lesão recente;
• História anterior de câncer ou tuberculose;
• Mudança no controle do intestino ou bexiga;
• Dor nas costas que impede a criança de participar de atividades normais.

Fonte – Mauricio Mandel (CRM 116095), neurocirurgião formado pela USP e membro da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN)

  • Print
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • Live
  • PDF
  • Twitter