“O barotrauma acontece devido a uma diferença de pressão entre o ouvido e a cabide do avião e é um alerta para um problema alérgico ou uma infecção de vias aéreas superiores, por exemplo uma gripe. Esses fatores podem bloquear a tuba auditiva, dificultando a equalização da pressão, diz a Dra Angela Shimuta, otorrinolaringologista da Clínica de Especialidades Integrada.
Quando o avião sobe, os gases se expandem, ou seja, ocupam mais espaço. A orelha média, região intermediária do ouvido, é uma cavidade praticamente fechada, cuja única abertura é uma comunicação estreita, a tuba auditiva, que liga com a parte mais interna do nariz, a nasofaringe, permitindo o ajuste entre as pressões externa (nariz e ambiente) e interna (orelha média). As crianças possuem uma anatomia que dificulta ainda mais a adequada função da tuba auditiva. Além do fato desta comunicação ser tão exígua, somam-se algumas alterações nasais, encontradas em muitos dos pequenos passageiros e em adultos, que só fazem contribuir para a maior incidência das dores de ouvido (otalgias) durante os vôos. As mais comuns são: os resfriados, as gripes, as rinites alérgicas e o aumento das adenóides que geram obstrução nasal e conseqüente dificuldade de equilibrar as pressões.
“Antes de embarcar, os pais de filhos que apresentam sinais de gripe, como nariz entupido devem optar por realizar lavagem nasal com soro fisiológico”, recomenda a médica.
Para os casos de alergia, a otorrinolaringologista aconselha a recorrer a descongestionantes orais, e sprays nasais antialergicos, dependendo dos casos
As dores não relacionadas às doenças virais e alérgicas exigem mais percepção dos pais. Para diminuir o desconforto das crianças, os pais podem dar analgésico ás crianças , que tem efeito calmante e auxiliam no combate a dor.
“Para prevenir as dores também se recomenda a ingestão de alimentos durante a decolagem e aterrisagem. A prática alivia, abrindo a tuba auditiva momentaneamente aliviando a pressão nos ouvidos dos pequenos, diz a doutora”.Em caso de dúvida é sempre importante consultar um medico especialista l pois ele poderá verificar se a criança tem condição de viajar.
Além dos fatores fisiológicos, viajar de avião é considerado chato pelas crianças. A falta de espaço para brincar, a obrigatoriedade em ficar sentado e falta de atrativos infantis podem deixar as crianças agitadas. Leve sempre cobertores e travesseiros, além de brinquedos para distrair as crianças e ter uma viagem tranquila.

Fonte- Angela Shimuta, Otorrinolaringologista da Clínica de Especialidades Integrada

  • Print
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • Live
  • PDF
  • Twitter