De acordo com o ortopedista Luiz Alberto Nakao Iha (CRM-SP: 111559), formado pela Universidade Federal de São Paulo e médico da Clínica Healthme gerenciamento de perda de peso, na gravidez, o salto alto pode modificar a postura da gestante e alterar o seu centro de gravidade, colocando mais pressão sobre a região lombar da coluna. “Na gestação, o corpo da mulher passa a liberar um hormônio chamado relaxina, que tem a função de provocar um aumento da mobilidade das articulações da bacia, dando a flexibilidade necessária para o parto. Isso significa que a gestante pode ficar mais sujeita a torções e quedas. E acima dos três centímetros, os saltos já começam a causar problemas, pois geram grande instabilidade”, explica.
Além disso, o uso excessivo de saltos muito altos pode encurtar os músculos e os tendões, afetando os joelhos e prejudicando a coluna. Sem contar que dificultam a circulação sanguínea devido à contração prolongada da panturrilha. “O salto alto também pode ser o responsável pela queda e, dependendo da situação, a gestante pode sofrer consequências como deslocamento da placenta, podendo levar a um parto prematuro e provocar contrações em casos extremos”, afirma o ortopedista.
Outro problema enfrentado pelas gestantes que abusam do salto alto é a relação com a postura. O salto desfigura a postura, pois inclina o pé, colocando todo o peso sobre os dedos, contraindo a panturrilha e forçando os joelhos e a coluna. “A tendência é que a barriga pese, cada vez mais, e ao usa salto alto é preciso compensar o peso, jogando as costas para trás, fazendo um esforço de equilíbrio em dobro” destaca o médico.
O peso e o inchaço dos pés também devem ser levados em consideração. Durante a gestação, a mulher tem mais facilidade para reter líquidos e apresentar inchaço nos membros inferiores, por isso é recomendado repouso e a elevação dos pés.
Caiu ou torceu o pé, o que fazer?
Independente do problema, queda ou torção, a gestante não deve hesitar em procurar uma avaliação médica. “Se isso acontecer, a grávida deve observar se houve perda de líquido ou de sangue e se a barriga está dolorida ou endurecida e deve procurar seu obstetra, imediatamente”, recomenda o ortopedista.
Afinal, o salto alto pode ou não na gestação?
Não é recomendado. É melhor a mamãe se acostumar a usar sapatos mais baixos, evitando quedas e torções. “O aumento do peso e a mudança da forma do corpo fazem que com a gestante perca um pouco o equilíbrio. Assim, o uso de salto alto pode acentuar esse desequilíbrio”, ressalta Luiz Alberto Iha.
Para as mulheres baixinhas, o ideal é optar pelo salto de 3 cm, com base mais larga ou modelo anabela, que traz maior sustentação.
Cuidado com as plataformas
Esses sapatos também são perigosos. Apesar de ser confortável para andar, os sapatos com plataforma apresentam os mesmos riscos de um sapato alto. “Esse tipo de calçado proporciona mais chance de torcer o tornozelo, principalmente, quando o piso é irregular, não sendo aconselhável para a gestante”, acrescenta Iha.
Se você é uma fanática por salto alto e está grávida, melhor seguir os conselhos do ortopedista e mantê-los guardados durante toda a gestação, garantindo uma gravidez sem imprevistos.
Fonte – Ortopedista Dr. Luiz Alberto Nakao Iha (CRM-SP: 111559), formado pela Universidade Federal de São Paulo, médico da Clínica Healthme gerenciamento de perda de peso

  • Print
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • Live
  • PDF
  • Twitter